Agosto Lilás

Agosto Lilás

Por Cézio Pereira

Em comemoração aos 13 anos  da Lei Maria da Penha ( Lei 11.340)ocorrido no ultimo dia 07/08,  data que  ficou instituída como Agosto Lilás, que tem o objetivo de conscientizar e prevenir sobre os vários tipos de violência sofrida pelas mulheres, o CREAS- Centro de Referência Especializado da Assistência Social, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social de Campo Alegre de Goiás, realizou nesta segunda-feira(26/08)um encontro com as equipes do CRAS, Conselho Tutelar, Agentes de Saúde, professores, alunos,a Primeira Dama Maria Aparecida Fleury Siqueira  e especialistas da Casa da Mulher de Ipameri para debater sobre violência e feminicídio, lei que só entrou em vigor em 2015.

Juliana Silva Goullart ( psicóloga) e Adriano Vaz Elias ( Assistente Social) da Casa da Mulher de Ipameri ministraram uma palestra com foco no trabalho realizado por eles e sua equipe, que ainda conta com um advogado para casos mais peculiares. A Instituição trabalha no combate e prevenção à violência psicológica, física, simbólica, patrimonial, sexual e moral, assim como suas conseqüências penais.

O evento trouxe uma exposição de fotos com a temática, intitulada “ Acordes da Misoginia”, pelo Instituto Tecnológico do Estado de Goiás em Artes ( ITEGO), além de uma peça de teatro encenada pelo professor Marcos (CEMEPE) com alusão a violência doméstica, “O Grito Silenciado- a luta diária contra a agressão à mulher da antiguidade aos tempos modernos” artigo apresentado pela professora Camila Santin e seus alunos também abordaram o tema com todo seu significado no passado e como combater no presente tamanha desigualdade e desrespeito aos direitos das mulheres.

Com uma abrangência mais detalhada, a psicóloga do CREAS Priscila Fernandes Eduardo apresentou seu trabalho sobre feminicídio “ Precisamos Falar Sobre Feminicídio” e Misoginia, que significa ódio ou aversão às mulheres. Um encontro informativo que servirá para prevenir e conscientizar toda a população de que os direitos das mulheres são assegurados por lei.

Homens e mulheres precisam se respeitar mutuamente e para que estes direitos não sejam violados todos precisam fazer sua parte, para tanto existe a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência ( Ligue 180).

Confira a Galeria de Fotos abaixo:

Próxima Página >